Qualifarma
Pesquisar
Close this search box.

Síndrome do Espectro Autista: o que é, como acontece e qual o tratamento

O convívio social só é respeitoso quando entendemos a diversidade e sabemos viver em tranquilidade com ela. Diante disso, é essencial ampliar nossas percepções e conhecer o que compõe determinadas condições do ser humano. Entre elas a Síndrome do Espectro Autista.

De acordo com um estudo do CDC (Center of Deseases Control and Prevention), estima-se que o Brasil conta com mais de 2 milhões de autistas. Sob esse ponto de vista, é fundamental trazer informações sobre o tema, para que haja conscientização. Abril é o mês que abraça e promove ações por essa causa, mas é preciso engajar pessoas a ter mais cuidado e respeito durante o ano todo.

Portanto, continue conosco e acompanhe informações sobre o diagnóstico e como é a convivência entre pais e responsáveis com pessoas autistas.

O que é Síndrome do Espectro Autista?

É um distúrbio do neurodesenvolvimento que faz com que o indivíduo tenha um comportamento atípico e déficits de comunicação ou interação social. Entre os sintomas estão a dificuldade de comunicação, padrões de comportamentos que se repetem de maneira constante e desenvolvimento diferente de outras crianças.

Além disso, autistas têm muita dificuldade em manter o contato visual, ficam aborrecidos com pequenas mudanças no dia a dia e apresentam dificuldades ao iniciar ou manter um diálogo.

Normalmente, o Transtorno do Espectro Autismo (TEA) é bastante prevalente no sexo masculino. Desde os primeiros meses de vida, pais e responsáveis já podem perceber os primeiros sinais na criança, mas deve buscar um conhecimento profissional.

Como se dá o diagnóstico?

Apesar de suas causas terem uma ligação muito forte com a genética, não há nenhum biomarcador específico para justificar a presença do TEA em um indivíduo. Diante disso, a família precisa notar os sinais e encontrar um médico de confiança em busca de um diagnóstico. Afinal, trata-se de um processo totalmente clínico. 

Portanto, se a criança apresentar um grande apego a atividades contínuas, uso repetitivo da linguagem ou dificuldade de fazer amigos nos ambientes sociais e de expressar as próprias emoções, considere procurar uma ajuda profissional. Neste caso, o apoio dos pais e familiares será essencial.

O relato da percepção de pessoas mais próximas à criança pode ser bastante eficaz na busca por um diagnóstico preciso. Até porque a Síndrome do Espectro Autista pode ser classificada em 3 níveis, e cada um depende de um suporte diferente das pessoas que convivem com o indivíduo nessa condição.

Como é o acompanhamento de uma pessoa autista?

Normalmente, o uso de determinadas terapias são fundamentais para ajudar a lidar com os sintomas presentes em pessoas com Síndrome do Espectro Autista. A terapia ocupacional agrega muito valor na melhoria da socialização, principalmente se o indivíduo for uma criança.

Além disso, é essencial investir em fonoaudiologia para melhorar a fala, trabalhando o modo como se comunica. Por fim, vale lembrar que alguns medicamentos e suplementos poderão trazer mais qualidade de vida, sob recomendação e acompanhamento médico.

Neste conteúdo você aprendeu várias informações sobre a Síndrome do Espectro Autista. Dessa forma, esperamos que o mês de abril seja um grande incentivo para que muitas famílias possam procurar ajuda profissional e, consequentemente, promover o bem-estar.

Ajude outras pessoas a conhecer o comportamento de pessoas autistas. Compartilhe este link nas suas redes sociais e estimule o conhecimento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima